Sem fim...




Tão desesperador quanto acordar e não vê-la ao seu lado, era olhar o horizonte e se deparar com um mar de incertezas. O tempo é passado e este o consumia. Queria ouvir o trincar de suas chaves ao abrir a porta e sentir seu cheiro numa gélida noite de primavera. Um engodo, obviamente ela estava lá, nos móveis, lençóis, cores das paredes, em tudo o que via e sentia. Ansiava apenas por sentir o suave toque de suas mãos acariciando meus cabelos, aliviando o pesar de seu longo dia com o aroma de seu beijo e leve tocar percorrendo seu corpo.
Estava neste labirinto buscando qualquer sonoridade que lhe trouxesse sua voz, ou a lembrança desta. Rumo à casa de suas idéias, à espera de uma que o levasse ao encontro dela antes do previsto.
Tinha apenas uma certeza, de que a conhecia antes mesmo de encontrá-la e isso não poderia se perder. Dentro dele havia uma vontade gritante de um encontro imediato, embora naquele momento não parecesse possível. Procurou refúgio em suas lembranças, em livros, sons, nas cores que possivelmente o remeteriam a imagem daquele doce rosto.
Talvez todos aqueles pensamentos lhe parecessem piegas, mas há modo de não o ser quando sua alma está tão inundada de sentimentos? Deitado a vislumbrar o que a vista de sua cama lhe permitia, um teto branco, conseguia visualizar a imagem dela nitidamente, enxergava as luzes e tons que o levaram ao seu encontro. Por um minuto fechou os olhos e sentiu uma lágrima percorrer sua face, percebeu-se tão próximo dela naquele momento, tal qual como dia em que suas vidas se reencontraram, definitivamente estavam no destino um do outro.
O que fazer com a geografia que os distanciam? Esta resposta permanecia ali, muda, como uma lacuna do tempo, o tempo que os separa, talvez este seja por vezes seu melhor conselheiro... Estava por fim, certo de que não havia ninguém entre eles, nenhuma das pessoas com as quais pudessem se deliciar nas noites seria capaz de se infiltrar no espaço que pertencia apenas aqueles dois corpos tão distantes e próximos ao mesmo tempo. Tinha mais uma certeza, a de que seu conto não possuía um final, ao menos não por hora, ainda restavam muitos parágrafos a serem escritos, e serão.

*I look from the wings at the play you are staging…

3 comentários:

Rudsson disse...

Gostei deste filme ... gosto de trilha sonora.
O filme da imagem.
:D

Van-nessa disse...

gosto dessa história... ;)

Espinheira disse...

Risoflora:
comentario para o blog - Através desse espelho eu poderia relatar tantas sensações, tantas imagens onitas,quentinhas e doces. É tão mágico falar e sentir o amor. Seus espinhos e seus potes de mel. Reencontrar os olhos que estimamos é sempe uma alegria....

Postar um comentário

Copyright @ *Jai Guru Deva... Om... | Floral Day theme designed by SimplyWP | Bloggerized by GirlyBlogger